Fechar

www.agnoticia.org

Buscar

'Não podemos pagar um mico internacional', diz Moreira Franco.
PAÍS

'Não podemos pagar um mico internacional', diz Moreira Franco.

JUNE Reportar Abuso

Na sexta-feira (17), o governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles (PP), decretou o estado de calamidade pública.
O secretário-executivo do PPI (Programa de Parceria em Investimentos), Moreira Franco, defendeu nesta segunda-feira (20) o socorro financeiro do governo federal ao Estado do Rio. E ressaltou que a realização dos Jogos Olímpicos é uma razão a mais para que a situação seja tratada como prioridade.


"O Estado vive uma situação terrível. Os funcionários e os aposentados não estão recebendo. Os serviços essenciais estão parando. E evidentemente neste quadro é necessário não só ajudar os servidores, o Estado, como também não podemos pagar um mico internacional", disse ele.

Na sexta-feira (17), o governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles (PP), decretou o estado de calamidade pública. O documento alegava que a situação financeira impedia honrar compromissos assumidos para a Olimpíada.

O decreto abriu caminho para que o Estado do Rio receba R$ 2,9 bilhões do governo federal que serão destinados ao pagamento de servidores públicos e à conclusão das obras da linha 4 do metrô, construída para os Jogos.

Com a medida, outros Estados brasileiros tendem a pressionar mais o governo federal por auxílio. Moreira Franco afirmou que o Estado do Rio tem uma razão a mais para receber esta verba: a Olimpíada, em agosto.

"Existe uma questão que distingue o Rio de outros Estados, que é a realização da Olimpíada", disse Moreira Franco, após participar da abertura de um seminário da FGV (Fundação Getulio Vargas), em Botafogo, zona sul do Rio.

Ex-governador do Rio, Moreira Franco evitou confirmar o valor da ajuda federal e detalhar a aplicação dos recursos. Disse que a expectativa é que se "encontre uma solução". Ele responsabilizou o governo federal por parte da crise instalada às vésperas dos Jogos Olímpicos.

"Nós vimos nesses anos todos que o governo federal, na gestão de Lula e da Dilma, assumiu compromissos [relativo à Olimpíada] que não foram cumpridos", disse ele, que foi ministro da Aviação Civil no primeiro mandato do governo Dilma Rousseff.

Moreira participou do jantar da última quinta-feira (16) no Palácio do Jaburu, em Brasília, no qual foram acertados os detalhes do socorro federal ao Estado do Rio e a decretação de calamidade pública financeira.

Perguntado se a decisão de decretar o estado de calamidade pública a poucas semanas da Olimpíada não teria gerado uma repercussão internacional negativa, Franco voltou a afirmar que o "mico" internacional seria ter problemas na Olimpíada.

"Negativo seria pagarmos um mico deste tamanho. Precisamos ter a grandeza e coragem para ver as dificuldades", disse ele.

INVESTIMENTOS

Durante seu discurso na abertura do seminário da FGV, Franco não comentou a situação do Estado do Rio e focou nas dificuldades de se atrair investimentos para o país em um momento de incertezas políticas e econômicas no Brasil.

Franco disse que somente dois países no mundo têm dois chefes de estados: o Brasil, com o afastamento de Dilma Rousseff e a presidência interina de Michel Temer; e o Vaticano, com os papas Francisco e Bento XVI.

"Do ponto de vista político institucional, eu não conheço uma situação tão crítica como a que estamos passando. A presidente da República afastada, o presidente da Câmara, segundo na hierarquia, afastado, e recentemente, presidente do Senado com pedido de prisão no Supremo Tribunal", concluiu. Com informações da Folhapress.

PARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Publicidade

Veja Mais isso


Isso você não pode perder