Fechar

www.vejaagorabrasil.org

Buscar

POLÍTICA

"Hoje foi um dia muito triste", diz Gleisi sobre prisão de marido

JUNE Reportar Abuso
"Hoje foi um dia muito triste", diz Gleisi sobre prisão de marido

O ex-ministro Paulo Bernardo, preso nesta quinta-feira (23), é casado com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR)
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) se manifestou pela primeira vez, no começo da noite desta quinta-feira (23), sobre a prisão ocorrida hoje do seu marido, Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento e das Comunicações dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

"Hoje foi um dia muito triste na minha vida como mulher, como política e, sobretudo, como mãe. Conheço o pai dos meus filhos. Sei das suas qualidades e do que não faria, por isso sei da injustiça que sofreu nesta manhã", escreveu a senadora em seu perfil no Facebook.

Paulo Bernardo foi preso na manhã de hoje pela Polícia Federal durante a Operação Custo Brasil, um desdobramento da Operação Lava Jato. Ele estava no apartamento funcional da senadora em Brasília.

O ex-ministro é acusado de receber, por meio de um escritório de advocacia ligado a ele, R$ 7 milhões em propina de uma empresa que manteve contratos com o governo federal entre 2010 e 2015. A defesa de Bernardo divulgou nota afirmando que a prisão foi "ilegal".

A senadora criticou a prisão do seu marido e disse que ele "se colocou inúmeras vezes à disposição da Justiça". "Vieram coercitivamente buscá-lo em casa, na presença de nossos filhos menores. Um desrespeito humano sem tamanho, desnecessário. Não havia nada em nossa casa que podia ser levado. Mesmo assim levaram o computador do meu filho adolescente. Fiquei olhando meu menino e pensei sobre a dor que sentia com aquela situação", postou Hoffmann.

A petista declarou que a família não fez fortuna, não tem contas no exterior e que seu patrimônio "parte financiado, foi comprado com nossos salários".

Ela finalizou a nota denunciando que a prisão de Paulo Bernardo é uma tentativa de desviar "o foco da opinião pública deste governo claramente envolvido em desvios, em ataques aos direitos conquistados pela população". "Garantir o impeachment é tudo o que mais lhes interessa neste momento", concluiu.