Fechar

www.vejaagorabrasil.org

Buscar

ESPORTE E JOGOS

ÁRBITROS DE VÍDEO PODEM SER ADOTADOS JÁ NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 2017

JANUARY Reportar Abuso
ÁRBITROS DE VÍDEO PODEM SER ADOTADOS JÁ NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 2017

Após inauguração do sistema de árbitros de vídeo no Mundial de Clubes FIFA do Japão, em dezembro do ano passado, a experiência deve voltar a campo em 2017. Segundo Lukas Brud, secretário da Internacional Board (Ifab), órgão que rege as regras do futebol, a ideia é adotar o sistema primeiro na Holanda, em jogos Copa do país a serem disputados em janeiro, e depois, no segundo semestre, em várias partes do mundo e potencialmente no Brasil, na disputa do Campeonato Brasileiro.

“Isso (o uso de árbitros de vídeo no Brasil) está sujeito a eles preencherem todos os requisitos e todo o treinamento, mas o Brasil está fazendo um bom trabalho até agora. Vamos nos encontrar com eles nos próximos meses para ver os avanços, para ver como estão se desenvolvendo, e acho que vão começar (a usar) assim que for possível”, contou Brud em Zurique, na sede da International Board, em entrevista ao portal GloboEsporte.com.
“É importante que o treinamento seja feito adequadamente para evitar problemas nos torneios. Foi a primeira vez que os árbitros no campo foram ajudados pelos árbitros de vídeo, e não seria possível evitar todos os problemas logo no começo”, comentou Brud.

Ainda segundo Lukas Brud, a possibilidade da utilização a experiência durante a Copa do Mundo de 2018 está sendo cotada pela FIFA. A questão depende principalmente da quantidade de testes que serão realizados até a data do torneio.

“Estamos fazendo todo o possível, junto com a Fifa, para isso funcionar, porque queremos melhorar as decisões da arbitragem. Especialmente os erros escandalosos, queremos evitar os escândalos. E se a Fifa estiver pronta e os árbitros de vídeo estiverem treinados o suficiente, então será usado, sim”, finalizou.
A utilização de árbitros de vídeo em partidas de futebol gerou polêmica em sua estreia no Mundial de Clubes de 2016. A experiência gerou críticas pesadas de técnicos e jogadores por falhas cometidas pelo sistema, mas ganhou total defesa do secretário da Ifap.